sobre a contradição

terça-feira, 11 de maio de 2010

Nas tardes de outono, onde o vento frio se misturava a frieza dos seus sentimentos, ela sentava no banco mais afastado da pracinha onde antes brincava com os garotos. Aos 6 anos, subia nas árvores e atirava pedras nas velhinhas que inocentemente alimentavam os pombos. Mas naquele momento aos 15 anos, o que fazia era observar tudo ao seu redor. Podia ver um garoto apanhando uma flor de um canteiro e entregando á uma mocinha. Um gesto normal de um alguem apaixonado. Nunca haviam entregado uma flor á ela. Mas isso não a imcomodava.
Desejava mesmo era poder apanhar ela mesmo a flor do canteiro.

1 mil comentários:

vinicius disse...

Meu nenhum post, kkkkkkkkkkkkkkkk
vc têm que escrever coisas mais interessantes